denominatorRange

01_100000

187 record(s)

 

Type of resources

Available actions

INSPIRE themes

Provided by

Years

Formats

Representation types

Update frequencies

Status

Scale

geoDescCode

cartografia

geographicCoverage

geographicCoverageDesc

inspirecore

referenceDateRange

denominatorRange

resolutionRange

dataPolicy

openServiceType

dataType

dataFormat

From 1 - 10 / 187
  • A série 1501A, na escala 1:250 000, inicialmente de acesso restrito encontra-se actualmente disponível ao público. Também esta inclui informação relativa ao edificado inclui a tipificação da sua utilização (fins habitacionais, comerciais, segurança, educação, governamental, militar, religioso, recreativo, justiça, etc.) e ainda informação cadastral considerada de interesse militar. Esta série cumpre a especificação (NATO) MIL-J-89100 (requisitos para a “Defense Mapping Agency's (DMA) 1:250,000 Scale Joint Operations Graphics Series 1501A”).

  • Inclui-se nesta série alguma informação relativa à Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP). Esta é uma carta administrativa que regista o estado da delimitação e demarcação das circunscrições administrativas do território nacional. A responsabilidade da sua execução é do Instituto Geográfico Português (por Despacho Conjunto nº 542/99, de 31/05/1999, publicado no D.R. nº156 de 07/07/1999). No que às unidades administrativas diz respeito esta série cumpre a especificação (NATO) MIL-J-89100 (requisitos para a “Defense Mapping Agency's (DMA) 1:250,000 Scale Joint Operations Graphics Series 1501G”).

  • This dataset contains the isobaths extracted from the coastal or approach nautical charts - scale 1:150000: charts 24201 to 24206 - from Caminha to the mouth of the Guadiana river. The isobathymetric lines represented at this scale are: 0, 10, 20, 30, 50, 100, 200, 500, 1000, 2000, 3000 and 4000m.

  • This Spatial Data Set is the isobatimétrica information provided by the Hydrographic Institute.

  • Programa da Orla Costeira de Ovar - Marinha Grande (POC-OMG). O POC-OMG abrange os municípios de Espinho, Ovar, Murtosa, Aveiro, Ílhavo, Vagos, Mira, Cantanhede, Figueira da Foz, Pombal, Leiria, Marinha Grande. O programa foi publicado em Diário da República e está em vigor. A sua disponibilização no SNIT aguarda conclusão do processo de depósito.

  • A série 1501A, na escala 1:250 000, inicialmente de acesso restrito encontra-se actualmente disponível ao público. Também aqui a informação relativa à rede hidrográfica incluí todas as grandes massas de água, principais cursos de água e algumas áreas que ainda são incorporadas nesta classificação para esta série específica. Esta cumpre a especificação (NATO) MIL-J-89100 (requisitos para a “Defense Mapping Agency's (DMA) 1:250,000 Scale Joint Operations Graphics Series 1501 Air”).

  • The ridge geomorphic feature layer represents the spatial extent of the ridges of the Azores, based on the SRTM30 plus v7 data.

  • A Carta de Depósitos Minerais da Região Norte inclui um total de 800 depósitos - minerais metálicos, minerais não metálicos e rochas industriais concessíveis - na sua maior parte fruto da orogenia Varisca. Trata-se do sector do país com maior número e variedade de tipos de mineralizações conhecidas. Tais depósitos compreendem desde simples ocorrências até jazigos de grande dimensão. No grupo dos minerais metálicos estão representadas mineralizações de: antimónio, arsénio, berílio, bismuto, chumbo, cobre, crómio, estanho, ferro, lítio, manganês, molibdénio, níquel, ouro, prata, tântalo/nióbio, titânio, tungsténio (volframite), tungsténio (scheelite), urânio e zinco. O grupo dos minerais não metálicos e das rochas industriais concessíveis inclui: barita, caulino, areias cauliníferas, carvões (metamorfizados), talco, amianto (asbesto), grafite, flúor (fluorite), quartzo e feldspato. Ao nível da representação, em cada depósito mineral podem ser observados diversos elementos: para além do nome do depósito mineral e do número atribuído, cada substância surge representada por uma cor; quanto à dimensão, para além das ocorrências, os jazigos/jazidas estão classificados em pequenos, médios e grandes, com símbolos de dimensões apropriadas; relativamente à morfologia, os depósitos minerais surgem classificados em vários tipos: bolsada, brecha, chaminé, disseminação, estratiforme, estratóide, filoniano, irregular, lenticular, massa, outro, stockwork e zona de cisalhamento, representados por um símbolo próprio e incluem a respetiva direção quando conhecida; ao nível da caraterização genética, a classificação está subdividida em 2 grandes grupos: depósitos minerais metálicos; depósitos minerais não metálicos e de rochas industriais concessíveis, para um total de duas dezenas de tipos genéticos base.

  • Toda a actividade exercida pelo IGeoE é decorrente da missão que lhe está superiormente atribuída. A Nato na prossecução de objectivos comuns, não só no âmbito militar mas também noutras áreas, ao dispôr de um vasto suporte científico e tecnológico dado pelos países que a integram, reconhece as vantagens da adopção de um sistema de georeferenciação único. Foram então dadas indicações aos países membros através da directiva AD-80 (Allied Command Europe Directive 80) para se passar a utilizar o sistema de georeferenciação WGS84, sugerindo adicionalmente a criação de programas de conversão para toda a cartografia existente.

  • Carta geológica editada em formato frente e versos, incluindo a seguinte informação: Frente da Carta: Geologia 1:400 000; Corte Geológico 1:400 000 (escala horizontal); Legenda Geológica; Localização dos principais Afloramentos; Ocorrências e Recursos Minerais (localizados no mapa e em listagem numa Tabela); 346 Sondagens (captação de água, poços e algumas sondagens mineiras). A base topográfica foi desenhada expressamente para esta edição (Base Topográfica LNEG-IICT, 2011), a partir de cartografia na escala 1/50 000 (72 folhas editadas entre 1953 e 1966). Foi atualizada para 2013 sobretudo no referente à redistribuição da população e à reconfiguração da rede viária, face a alterações profundas que marcaram o país durante a guerra (1963-1974) e após a independência. Inclui estradas, caminhos, povoações, rede hidrográfica, planos de água (vendus e lagoas), toponímia, altimetria (pontos cotados e curvas de nível). O litoral tem continuidade com a plataforma continental, sendo apresentada a batimetria, facilitando a perceção do delta correspondente ao Arquipélago Bijagós. No verso da Carta: 346 “logs” de sondagens e poços, com a profundidade de captação de água e com a interpretação da sequência atravessada (litologia / estratigrafia); Extrato de Imagem de satélite, incluindo grande parte do litoral do país, para visualização do transporte sedimentar no Delta dos Bijagós e na foz do rio Geba; Esboço geomorfológico e texto explicativo sobre a geomorfologia e morfologia do território; Corte Geológico da bacia mesocenozóica, com texto explicativo e Coluna Litostratigráfica tal como seguida em pesquisa de hidrocarbonetos; Carta hipsométrica; Mapa Administrativo do país (regiões, sectores e cidades); Mapa com a Divisão Cartográfica; Bibliografia, geral e sectorial (geologia, cartografia, hidrogeologia, recursos minerais, etc.); Lista de autores e colaboradores; Fotos de afloramentos.