Catalog

95 record(s)

 

Type of resources

Available actions

Topics

INSPIRE themes

Keywords

Contact for the resource

Provided by

Years

Formats

Representation types

Update frequencies

Scale

Resolution

geoDescCode

cartografia

geographicCoverage

geographicCoverageDesc

inspirecore

referenceDateRange

denominatorRange

resolutionRange

dataPolicy

openServiceType

dataType

dataFormat

From 1 - 10 / 95
  • Geological Map of Portugal, scale 1:1 000 000, LNEG, 2010 modified to be INSPIRE compliant. Layers depicting Geologic Units classified according to ages and lithologies from INSPIRE vocabularies, Faults and Geomorphologic Features are available. This dataset was formerly prepared in the framework of the OneGeology-Europe project and is harmonised according to Geology INSPIRE data specifications.

  • The Portuguese Mineral Occurrences and Resources Information System (SIORMINP) provides access to geoscientific, technical and economic information on occurrences, reserves and resources, associated commodities, geology, mines, mining activities, mining wastes and areas with mining potential known in mainland Portugal.

  • The Portuguese HydroGeological Resources Database provides geological and hydrogeological information for drill holes, wells, springs and boreholes

  • The geological map of Spain and Portugal at 1:1 000 000 scale is a renewed version of the geological map of the Iberian Peninsula and the territories of Ceuta, Melilla and the Balearic, Canaries, Azores and Madeira islands. This small-scale map is edited jointly periodically by the Geological surveys of Spain (IGME) and Portugal (LNEG). This new version includes for the first time the geological information of the Spanish and Portuguese continental shelves and also the geology of the Atlantic Portuguese islands. This map records all the new geological knowledge provided by the complete survey at 1:50 000 scale in Spain (IGME’s MAGNA Plan) and the systematic geological mapping series developed in Portugal by the LNEG. The continental portion of the map was compiled starting from original drafts at 1:400 000 scale made for every main geological unit: Iberian Variscan Massif, Pyrenees, Betics, Cantabrian and Iberian cordilleras and the Duero, Ebro and Tajo Cenozoic basins for the territory of Spain and the geological maps at 1:200 000 scale in Portugal.

  • A cartografia geológica dos núcleos de exploração de mármores do Anticlinal de Estremoz foi realizada entre 2003 e 2008 com uma temática vocacionada para apoiar o sector industrial e o ordenamento do território. Os mapas produzidos para os 5 núcleos de exploração, correspondentes às 5 Unidades de Ordenamento para a indústria extrativa definidas no PROZOM - Plano Regional de Ordenamento da Zona dos Mármores, permitem distinguir as principais variedades de mármores, bem como a sua estruturação tectónica que muito condiciona a sua exploração.

  • A Carta Geológica do Parque Nacional da Peneda-Gerês constitui uma edição conjunta do Serviço Nacional de Parques, Reservas e Conservação da Natureza (atual ICNF) e dos Serviços Geológicos de Portugal (atual LNEG). O Parque Nacional da Peneda-Gerês é uma área protegida de cerca de 70 290 hectares, criada em 1971. Continua a ser o único Parque Nacional português. Situa-se na zona raiana do Minho, Trás-os-Montes e Galiza. Esta área protegida, juntamente com o parque natural espanhol do Baixa Limia-Serra do Xurés (estabelecido em 1993 e com cerca de 20 920 hectares), forma, desde 1997, o Parque Transfronteiriço Gerês-Xurés. Estas duas áreas são consideradas pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera. A geologia e geomorfologia desta região são fortemente condicionadas pela abundância de corpos graníticos, derivados de magmas gerados nos processos orogénicos variscos, resultantes da formação do supercontinente Pangea, há cerca de 350 Ma, por colisão da Laurússia e Gondwana. Os diferentes tipos de granitos existentes na área são agrupados em sin, tardi e póstectónicos, conforme as várias etapas da orogenia varisca. São intrusivos em metassedimentos considerados do Silúrico, do parautóctone da Zona Galiza-Trás-os-Montes (ZGTM). A estas intrusões graníticas estão relacionadas mineralizações de cassiterite, volframite, molibdenite, ouro e berilo (em pegmatitos), que foram alvo de importantes explorações mineiras, como as minas do Carris e da Borralha, já fora dos limites deste Parque. Ainda nos recursos geológicos, merece destaque as águas minero-medicinais (Caldas do Gerês). Nos sedimentos do Quaternário, merecem destaque a presença de moreias e a morfologia típica de vales com perfil em U, evidências da última glaciação Wurm (entre 110 000 a 12 000 anos), no final do Pleistocénico. Para atualização da geologia consultar: Pereira, E. (coord.) (1989). Carta Geológica de Portugal, Folha 1, escala 1:200 000. Lisboa, Serviços Geológicos Portugal. Pereira, E. (coord.) (1992). Notícia Explicativa da Folha 1 da Carta Geológica de Portugal, à escala 1:200 000. Lisboa, Serviços Geológicos Portugal, 83 p.

  • A Carta do Campo Magnético Reduzido ao Pólo da Região de Neves-Corvo, à escala 1:50 000, foi produzida pelo Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), no âmbito do projeto EXPLORA: Definição de novos vetores de conhecimento geológico, geofísico e geoquímico para a região setentrional de Neves-Corvo, financiado pelo programa Alentejo2020. Compõem este mapa a Carta da Intensidade do Campo Magnético Subtraído do IGRF, Carta da Primeira Derivada Vertical do Campo Magnético Subtraído do IGRF, Carta do Sinal Analítico do Campo Magnético Subtraído do IGRF e mapa de localização das leituras realizadas durante os voos aeromagnéticos. Na Carta do Campo Magnético Reduzido ao Pólo são indicados os contornos dos limites geológicos e falhas referenciadas na Carta Geológica e Mineira de Neves-Corvo, Projeto EXPLORA. No documento são também indicados dados de suscetibilidade magnética. O mapa principal reflete o comportamento do campo magnético na região de Neves-Corvo, sendo uma ferramenta útil em prospeção mineral através da indicação de eixos vulcânicos e exalitos com minerais magnéticos.

  • A Carta Geológica Simplificada e Património Geológico do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros à escala 1:50 000, constitui uma edição conjunta do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), e da Associação Portuguesa da Indústria dos Recursos Minerais (ASSIMAGRA), que para além da geologia, inclui também os geossítios e alguns percursos pedestres deste Parque Natural.

  • O mapa do potencial energético das energias marinhas de Portugal Continental é constituído pelo mapeamento das principais grandezas eólicas e ondas para as alturas de referência de 100m - Eólica e à superfície – caso das ondas. As grandezas mapeadas na vertente eólica, elaboradas com modelos atmosféricos de mesoescala, capazes de descrever as principais fenomenologias de vento junto da costa portuguesa, correspondem à velocidade média do vento [m/s], fluxo de potência Incidente do vento [W/m2] e mapas do número anual de horas anuais equivalentes à potência nominal - NEPS de uma turbina de referência padrão bem como mapas NEPS [h/ano] específicos para sistemas fixos – “Jacket” e “Monopile” ou Flutuantes – WindFloat. OS mapas Eólicos produzidos representam a climatologia do vento bem como características da fenomenologia inerente à interface terra-mar ao longo da Costa Portuguesa. Relativamente à componente da energia das ondas é representado a estimativa a potência do recurso das ondas bem como a representação da estimativa para os principais sistemas padrão das ondas – sistema coluna de água oscilante, sistema dois corpos oscilando em arfagem e sistemas tipo pala oscilante assentes no fundo do mar. Os mapas do recurso energético das ondas foram obtidos com base em dados experimentais (10 anos de dados) compilados e oriundos da base de dados ONDATLAS bem como de dados obtidos por modelação numérica com o modelo MAR3G. Os mapas do recurso energético das ondas traduzem as características do recurso médio anual das ondas para um período de 10 anos sendo suficientemente representativo da climatologia do estado do mar para Portugal Continental. Todos os mapas da energia das ondas são expressos na unidade [kW/m]. É de referir que os mapas eólicos e das ondas são processados com elevada resolução espacial de 1km x 1km e representam as características espaciais do recurso das energias marinhas desde a linha de costa até à batimétrica dos 300m.

  • A Carta Hidrogeológica de Portugal à escala 1:1 000 000 foi editada em 1970 pela Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos (Ministério da Economia - Secretaria de Estado da Indústria) com a colaboração das Direcções Gerais dos Serviços de Urbanização e dos Serviços Hidráulicos. Constitui um documento cartográfico datado que sintetiza as características hidrogeológicas do território continental. Principais conteúdos legendados: 1) Unidades geológicas agrupadas e classificadas em função da variação da grandeza da permeabilidade em cada tipo de meio (poroso, cársico, fissurado); 2) Indicações relativas a nascentes (caudais e temperatura da água); 3) Indicações relativas a cursos de água superficiais; 4) Indicações relativas a captações de água (caudais de furos e capacidade de barragens).